fbpx

Nosso Blog

Candidíase Mamária

Sabemos que quando o assunto é amamentação, inúmeras dúvidas podem surgir, sobretudo quando se trata das mães de primeira viagem e que nunca amamentaram. E um dos temas pouco discutidos, mas que podem gerar inúmeros problemas quando não tratados corretamente é a candidíase mamária.

Primeiramente é preciso entender que este é um tipo de doença que pode aparecer de diversas formas em uma mulher, inclusive por conta da amamentação, inclusive por conta da amamentação, mas que independe de fatores como a pega e a saúde do bebê, por exemplo. E por ser um assunto tão delicado e não tão discutido, é necessário entendermos melhor o que é essa doença, por que ela surge e o que ela tem a ver com a amamentação.

A Cândida albicans, fungo encontrado frequentemente na vagina e no trato gastrointestinal de seres humano, tem sido considerada uma das causas de infecções das mamas de lactantes (mulheres que estão amamentando). Esse fungo geralmente causa feridas de difícil cicatrização.

É comum observar tecido mamário na região da aréola pálido ou rosado, descamando podendo ou não conter pequenos pontos esbranquiçados, além de dor durante ou após as mamadas.

A candidíase mamária é um quadro de infecção fúngica no mamilo/aréola, podendo estar presente nos ductos lactíferos.

Sinais na mãe:

  • dor em fisgadas;
  • coceira e sensação de queimação .
  • descoloração da região da aréola e mamilo;
  • descamação da pele;
  • pele mais sensível e propensa a fissuras mamilares;
  • mamilo vermelho;
  • pele mais brilhante na aréola.
  • Fortes dores no mamilo.
  • Fissuras na divisão do mamilo com a aréola.
  • Pele avermelhada na região dos seios.
  • Feridas nos seios que demoram a cicatrizar.

Sinais no bebê:

  • placas brancas na boca ou no bumbum.

Diagnóstico e tratamento:

O diagnóstico é médico e o tratamento deve ser feito na mãe e bebê simultaneamente, mesmo que esteja assintomático em um dos dois.

O tratamento da candidíase mamária é feito à base de antifúngicos, que são tomados por cerca de 3 semanas até os sintomas desaparecerem completamente. O uso de pomadas tanto para combater os fungos quanto para ajudar na cicatrização das feridas também é feito.

Ambiente úmido e abafado favorece a proliferação do fungo, portanto as conchas de silicone e absorventes de mamilos devem ser evitados.

Na presença da infecção, bicos artificiais e sutiã devem ser higienizados com frequência pelo risco de nova contaminação

O laser de baixa potência ( LASERTERAPIA) tem apresentado ótimos resultados quando associado aos tratamentos convencionais.

Como Prevenir a Candidíase Mamária?

A prevenção pode ser feita de forma simples, como manter os mamilos secos e arejados, expor os mamilos à luz por alguns momentos durante o dia. Apesar de ser um doença indesejável e que pode se desenvolver com certa facilidade, dependendo do caso, existem algumas atitudes que podem ajudar a prevenir que a candidíase mamária apareça.

Elas são:

  • Sempre lavar as mãos;
  • Manter as mamas sempre secas e arejadas;
  • Não dar de mamar com bicos artificiais, já que eles facilitam a proliferação de fungos;

Essas pequenas atitudes ajudam na prevenção da candidíase mamária e também na candidíase oral no bebê, já que quando você tem menos contato com fungos, o bebê consequentemente também vai ter. Vale lembrar que essas atitudes não te livram totalmente do risco de desenvolver a candidíase mamária, já que ela também é uma doença autoimune.

A candidíase mamária é muito comum e exige uma avaliação minuciosa de um profissional capacitado. Ao menor sinal de desconforto, não hesite em procurar ajuda de uma consultora em amamentação!

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Entre em Contato
Instagram